As 19 Melhores Séries para Assistir na Amazon Prime Video

Imagem do autor Kelen Vargas
Kelen Vargas
Especialista em tecnologia da Cissa Magazine
22/08/2018 5.022 visualizações comentarios

Assistir conteúdos na Amazon Prime Video já é algo muito comum realizado pelos amantes e aficionados por séries e filmes de qualidade. Um dos rivais de peso da Netflix, a plataforma de streaming da Amazon traz ótimas opções em seu vasto catálogo, contando também com criações originais de qualidade.

Blog Categoria Smart tv

Ao invés de discutirmos qual a melhor plataforma de streaming, podemos aproveitar que os serviços se complementam -  já que muitos títulos da Amazon não estão na Netflix e vice-versa - e enriquecermos o cinéfilo que existe em nós. Vale ressaltar que atualmente a Amazon Prime Video possui um preço de assinatura super acessível e muitas pessoas, de fato, usam-na para completar a experiência cinematográfica junto a Netflix.

Enfim, já que são muitas as opções disponíveis no Prime Vídeo, nós da Cissa Magazine te ajudamos a encontrar ótimos títulos para assistir. Neste post nosso foco foi as séries que estão fazendo sucesso por lá, selecionamos então as 19 Melhores séries para assistir na Amazon Prime Video.

Veja também:
 Os 14 Melhores Phablets de 2018
 Pipoqueira: 8 Opções Boas e Baratas para Comprar
 10 Melhores Notebooks Custo x Benefício para Comprar em 2018

Trouxemos opções fantásticas para você conferir e dar adeus a sua vida social! Brincadeiras a parte, separamos séries originais da plataforma e também algumas de outras emissoras que são transmitidas simultaneamente ou com exclusividade no Prime Video. Confira!

As 19 Melhores Séries da Amazon Prime Video em 2018

Mr. Robot

Um jovem de mente brilhante, mas instável - Elliot Anderson um engenheiro de cibersegurança que sofre de transtorno de ansiedade social e depressão clínica - Vivido pelo ator Rami Malek que foi contemplado com Emmy de melhor ator em 2016 pelo seu excelente desempenho como o enigmático Elliot. Sob a direção de Sam Esmail, Mr. Robot é uma produção maravilhosa no que diz respeito a narração, criatividade e visual estético, agradando ao grande público e a crítica desde seu episódio piloto.

Em frente a tela somos levados por um mundo de tecnologia na qual a privacidade é algo muito instável, ao mesmo tempo em que acompanhamos e buscamos entender como funciona a mente do personagem principal. Eliot não se sai nada bem em se relacionar com pessoas, seu meio de conhecê-las melhor é usando sua genialidade tecnológica para hackear aqueles que chamam de algum modo a sua atenção e descobrir o que os move.

A série nos contempla com uma trama cheia de plot twist; seu radar nos indica a refletir sobre o poder de grandes conglomerados empresariais que controlam a sociedade, fazendo duras críticas ao capitalismo e grandes corporações. Uma complexa trama se inicia ao que temos Elliot Anderson sendo elemento chave de um plano de grandiosidade global, ao que, persuadido por um misterioso anarquista, passa a fazer parte de um grupo de hackers que tem o objetivo de derrubar grandes e corruptas empresas que formam um grande e poderoso conglomerado.

Justified

A trama principal da série Justified gira em torno de Raylan Givens (Timothy Olyphant), um xerife que utiliza de métodos nada tradicionais, trabalhando dentro dos termos de uma  justiça não convencional que o faz acumular inimigos por todos os lados. Givens acaba se envolvendo no assassinato de um atirador de aluguel, e como consequência de seus atos acaba sendo transferido de Miami para a cidade de Lexington, no Kentucky. Com seu perfil policial do século 19 - que veste botas e chapéu de cowboy - Raylan Givens vai conduzir e lidar com questões racionais, tráfico de drogas, máfia e vários outros crimes, tudo a seu modo - métodos que nem sempre encontram amparo legal.

O ponto alto e desenvolvimento na narrativa dá-se pelo fato de essa cidade para a qual Givens foi transferido é nada menos onde ele cresceu e acreditava ter escapado para nunca mais voltar. Onde os criminosos que terá que lidar são, em sua maioria, seus familiares e amigos de infância.  

A construção do personagem principal é o destaque da história, um homem da lei com problemas e desavenças, com tom ameno e calmo mesmo para com aqueles que apontam uma arma para o seu peito, ao mesmo tempo em que deixa claro que só tira a arma do coldre se for para de fato matar.

 Preacher

Estrelado por Dominic Cooper no papel de Jesse Custer, a série Preacher é baseada na HQ de mesmo nome e nos traz uma premissa que inclina-se a ser um drama misterioso e sobrenatural, onde o ex pastor Jesse Custer - com passado problemático - acaba sendo possuído por um entidade mística que lhe confere o poder de ter sua palavra - quando proferida- obedecida.

No decorrer da narrativa nos são apresentados fortes e cativantes personagens, como os ajudantes de Custer- por assim dizer -  Cassidy, o vampiro irlandês e a ex namorada/caçadora de recompensas, que juntos saem destinados a, de fato, encontrar Deus. Em sua jornada terão que enfrentar anjos, o Santo dos Assassinos e ainda uma organização secreta internacional que busca dominar o mundo com a ajuda de um descendente de Cristo.

Problemas, é o que a série rendeu dentro e fora das telas, já que não se preocupa em acabar soando em alguns pontos como “errada”. Apresentando cenas deturpadas e com grandes tiradas de humor ácido, elementos estes que só fizeram um grande número de telespectadores aclamarem a trama e proporcionarem a mesma um espaço considerável e favorável no mundo das séries, tida por muitos, melhor que a própria história em quadrinhos na qual se baseia.

This Is Us

A premissa: Comovente história de três irmãos gêmeos peculiares, seus conflitos e os pais maravilhosos que os criaram. Se você gosta de séries com ótimo contexto que envolve tramas emocionantes, que falam sobre família, amor e afins, você deveria agora mesmo dar o play em This is Us, e prepare os lencinhos porque quando você menos esperar as lágrimas estarão surgindo nos seus olhos.

Tramas que num primeiro momento parecem apenas coincidência, vão se mostrar muito mais conectadas do que podemos imaginar, surpreendendo o telespectador através de uma narrativa muito bem contada, sem cair no melodramático, com cenas leves e alívio cômico, trata de assuntos densos, mas busca sempre pela sutileza ao abordar os temas.

É preciso tomar cuidado para não acabar dando spoilers, já que cada mínimo detalhe pode surpreender aos mais desavisados, mas para melhor contextualizar, a sinopse nos traz: Uma linha atemporal onde Rebecca e Jack são um casal esperando trigêmeos em Pittsburgh, no ano de 1980. 36 anos depois a série acompanha os irmãos Kevin, um ator de que está cansado de fazer papéis superficiais; Kate, uma mulher obesa que vive uma eterna luta para perder peso; e Randall, que reencontra seu pai biológico o qual abandonou ele quando ainda era um bebê recém-nascido.

Vale mencionar que a série sabe o está fazendo, tratando assuntos delicados com maestria e realidade, não deixa de colocar o dedo na ferida e falar de questões importantes como racismo, gordofobia e dependência química, sem medo e sem tabu. Pode parecer um novelão a primeiro momento, mas é uma trama cheia de camadas, que surpreende a cada novo momento, colocando àquele em frente a tela no lugar dos próprios personagens, ao que os assuntos são tratados o mais próximo possível da realidade.

Transparent

Integrando a lista com as melhores séries para assistir na Amazon Prime Video temos mais uma série que aborda temos precisos, dando visibilidade às diferenças. Transparent foi responsável por grande parte do sucesso da plataforma de streaming da Amazon, apresentando a história de problemas familiares, onde várias revelações começam a surgir a partir da primeira: Mort (Jeffrey Tambor) que é pai de Ali, Sarah e Josh, se assume como transgênero, o que já era uma família com problemas de limite e relacionamento, se intensifica ainda mais.

Com segredos sendo revelados, e problemas que surgem após as revelações, os personagens envolvidos nessa trama precisão trilhar o caminho que cabe a cada um, com enredo carregado de drama e humor que movem uma história complexa e envolvente dos dilemas vividos, tanto pelo patriarca da família, quanto pelos seus filhos, que mesmo em idades adultas se vêem sem saber como lidar com as situações em que a vida os coloca de surpresa - ou não.

A série foi muito bem aceita pelo grande público e aclamada pela crítica, chegando a ter até o momento, quatro temporadas - todas disponíveis na íntegra na Amazon Prime Video - Transparent foi muito bem estruturada e continuada por seus diretores Jill Soloway e Nisha Ganatra, que foram felizes na execução de levantar debates sobre gênero, sexualidade e comportamento humano na primeira temporada e conseguir levar tudo isso com muita prioridade e naturalidade no decorrer das temporadas seguintes.

The Tudors

Um drama histórico baseado na história do Rei Henrique VIII, The Tudors tem suas quatro temporadas decorridas entre os anos de 1518 a 1540, recriando os acontecimentos referidos ao reinado de Henrique VIII na Inglaterra. Paixão, ambição,  traição, sexo, religião, política e filosofia, são alguns dos elementos principais que movem a narrativa.

Quem dá vida ao Rei é o prestigiado ator/galã Jonathan Rhys Meyers - reconhecido por interpretar aclamados personagens em grandes obras cinematográficas. The Tudors nos apresenta grandes nomes da história da Inglaterra, ao mesmo tempo em que incrementa ambientes e grandiosos cenários para representar de forma valorizada o que é tido como o reinado mais sensual e selvagem da Inglaterra.

The Tudors retrata todos grandes pontos e características da personalidade do Rei Henrique VIII, desde os melhores até os menos agradáveis. O homem destemido que para alcançar seus objetivos foi capaz de desafiar até mesmo a instituição mais poderosa da Europa Medieval, a igreja e seus representantes. Tudo enquanto lidava com alianças e desavenças políticas, e ainda levava uma vida pessoal conturbada, destacada na série por seus relacionamentos com Catarina de Aragão e Ana Bolena.

The Marvelous Mrs. Maisel

Nova York, o ano é 1958 e Miriam Midge acredita estar no auge de sua vida e ter tudo o que sempre quis, marido, filhos e um sofisticado apartamento no Upper West Side,  na linda e elegante cidade de Manhattan. Mas nada melhor que as inesperadas reviravoltas da vida para colocar Midge de frente a escolhas que podem mudar totalmente a sua vida até então “perfeita”. Descobrindo que existem coisas que podem a fazer muito feliz e realizada além de ser uma dona de casa de elite, como descobrir sua  veia cômica para entrar no mundo dos stand-ups de comédia, por exemplo.

The Marvelous Mrs. Maisel é escrita e dirigida por Amy Sherman-Palladino - a mesma criadora da série Gilmore Girls - quem estrela como a personagem principal é Rachel Brosnahan - conhecida por seu papel em House of Cards. Apesar de ser uma série recente (2017) já acumula grandes indicações e prêmios, que incluem um Globo de Ouro de melhor série de comédia ou musical.

Ambientada em uma Nova York na década de 50, The Marvelous Mrs. Maisel capricha nos cenários e roupagem, e ganha reconhecimento do grande público por sua proposta principal: A protagonista é uma mulher judia, mostrando seus dois lados, uma delicada e elegante dona de casa, ao mesmo tempo em que consegue fazer comentários ácidos, falar palavrões, enquanto se apresenta em um meio predominantemente masculino.

Mozart In The Jungle

Mozart In The Jungle prova que a Amazon não fica atrás da Netflix quando o assunto é produção original. Levando - com mérito - prêmios como o de melhor série de comédia/musical no último Globo de Ouro, por sua primeira temporada. Esta preciosidade da plataforma de streaming Prime Vídeo entrega como trama principal a história do maestro Rodrigo, que integra a  Sinfonia de Nova York e a jovem oboísta Hailey que está a espera de sua grande chance.

Uma história de ambição, amor e sonhos; seja em cima dos palcos ou os nos bastidores, temos uma harmonia de autobiografia e memórias de Blair Tindall, baseada em seu livro Mozart in the Jungle: Sex, Drugs and Classical Music. A construção da narrativa deve-se a Roman Coppola, Jason Schwartzman e Alex Timbers, que apresentam uma trama com tons clássicos, com música, romance e drama, sem deixar de entregar ótimos momentos de alívio cômico.

Mozart In The Jungle não busca por heróis, nem deixa toda a atenção para um único personagem, apostando em tiradas de humor, diálogos afiados e um roteiro riquíssimo - tal qual a fotografia, cenários e vestuário -  consegue fazer com que o telespectador não fique a mercê de esperar para ver o que acontece com um personagem específico, mas sim acompanhar todos os arcos que constroem a história, concebida a partir de personagens talentosos, mas que nem por isso deixam de ter seus defeitos.

The Man in the High Castle

Mais uma criação original muito bem sucedida da Amazon Prime Video. A série The Man in the High Castle tem sua trama construída em cima de uma obra de Philip K. Dick, a qual o ano é 1962 e a Alemanha nazista e o Império japonês venceram a Segunda Guerra Mundial. Uma narrativa de ficção científica que traz uma distopia de como poderia ser o mundo se ao invés dos aliados, fosse o Eixo que ganhasse o maior conflito armado que a humanidade causou e presenciou.

A história se passa após vinte anos do conflito, o mundo é divido entre as potências vencedoras, e a partir daí, estamos de frente a uma trama complexa que mexe com aleatoriedade, realidades alternativas e possíveis destinos dentro da proposta da série, enquanto conflitos de interesses começam a surgir entre os principais poderes, Alemanha e Japão, que vivem o que podemos chamar de Guerra Fria, semelhante a que aconteceu no mundo real.

O destaque da produção sem dúvidas dá-se a ambientação e fotografia, imagens  que enchem os olhos e causam sensações surreais ao telespectador, como ver a Times Square lotada com propagandas nazistas e cheias de suásticas. The Man in the High Castle foca no “ E se?” ao que, mesmo sendo uma história reinventada em um universo não real, não deixa de comparar práticas, comportamentos e valores da sociedade real com as da ficção apresentada, deixando no ar como se a série fornecesse uma possibilidade alternativa, mas não utópica da nossa realidade atual.

American Gods

Tendo como um de seus principais produtores o renomado Bryan Fuller  - criador de Hannibal - a série American Gods é uma adaptação da consagrada obra de fantasia do escritor Neil Gaiman. A premissa dá-se início ao que temos Shadow, que foi liberado da prisão pouco tempo antes de acabar sua sentença, para que pudesse ir ao funeral de sua esposa. Ele acaba encontrando um sujeito um tanto quanto estranho, de nome Mr. Wednesday, mas que na verdade é o deus Odin que busca impedir que os Deuses Antigos percam seus lugares para o que ele chama de Novos Deuses, vulgo Globalização, Tecnologia, Mídia, Dinheiro… Odin então quer recrutar Shadow para o acompanhar e ajudar nesta missão, tendo-o como um guarda costas.

Um ponto marcante na série -  que decorre da obra literária em que foi inspirada - é a forte presença que envolve política e de fatores que abordam temas como racismo, preconceito, luta de classes, a questão armamentista, machismo e homofobia, que são apresentados a Shadow como uma perspectiva do mundo novo.

American Gods é uma série cheia de surpresa e que foge do convencional, se você não gosta de clichês, com certeza é uma boa pedida. Tida por muitos como “confusa”, a trama é cheia de camadas que vão se esclarecendo enquanto novas vão se formando. Mesmo que tudo tenha um aspecto surreal, a narrativa deixa nas mãos e mente de cada telespectador refletir sobre os conteúdos apresentados em tela, que mesmo maximizados e fantasiosos não deixam de fazer referência direta à acontecimentos do mundo real.

StartUp

Sob a criação de Ben Ketai a série Startup nos apresenta os ricos cenários de Miami, palco para a envolvente história que traz como centro de seus acontecimentos elementos como gangues de rua, empresas de tecnologia e o FBI, mais ligados no que deveriam. Uma narrativa carregada de tons realistas e dramáticos, que busca explorar uma possível ascensão de uma empresa tecnológica.

Destaque para Martin Freeman que dá vida ao agente do FBI Phil Rask, seu caminho se cruza com o do jovem empresário Nick Talman (Adam Brody), o qual tem uma grande quantia de dinheiro com procedência suspeita que recebeu de seu pai - um banqueiro desaparecido. Com esse dinheiro Nick investe em uma ideia tecnológica promissora desenvolvida por uma jovem programadora de nome Izzy Morales (Otmara Marrero).

Esse é só o começo de uma trama cheia de surpresas, que envolve o telespectador desde os primeiros minutos do primeiro episódio, com cenários ricos e realistas, em meio a acontecimentos que nos fazem devorar os dez episódios da primeira temporada, sem nem perceber o tempo passar.

The Grand Tour

Se você é um amante de carros, dos convencionais aos mais peculiares, com certeza vai gostar de usar seu tempo livre vendo os episódios da série The Grand Tour, acompanhando Jeremy Clarkson, Richard Hammond and James May estrelando uma aventura que envolve não apenas carros, mas também as nuances da amizade.

Este programa automobilístico da Amazon Prime Video nos leva a acompanhar o desempenho de carros de  grandes marcas importadas, dirigidas pelos apresentadores Jeremy, Richard e James, com filmagens em diferentes estradas do mundo, ao mesmo tempo em que também é um programa de auditório - que traz o humor de típicos shows americanos de TV - A série tem seu diferencial em não ser um programa sobre mecânica e montagem de carros, sua premissa traz três homens de meia idade que dirigem máquinas sensacionais e avaliam o desempenho das mesmas, tudo enquanto vivem as mais diversas aventuras.

É um série que trouxe grande reconhecimento a plataforma de streaming da Amazon, conquistando prestígio em nível mundial. Vale fazer um adendo que diz respeito a The Grand Tour - em 2016 - ter sido apontada como a série de TV mais pirateada do mundo, ultrapassando séries de grande sucesso como Game of Thrones.

The Night Manager

Em The Night Manager, Tom Hiddleston estrela no papel do ex-soldado britânico Jonathan Pine - agora como auditor noturno de um hotel de luxo - percorre retirados e sombrios cantos de Whitehall e Washington, onde uma aliança profana opera entre a comunidade de inteligência e o comércio de armas secretas. Neste ponto a trama nos traz o renomado ator Hugh Laurie dando vida a Richard Onslow Roper, que comanda um grande mercado de tráfico de armas, no qual Pine busca se infiltrar.

The  Night Manager apresenta uma narrativa que harmoniza amor, perda e vingança, em meio a uma complexa história sobre a criminalidade contemporânea. É baseada no livro de espionagem de John Le Carré, sendo a primeira adaptação para televisão, em 20 anos,  do livro. Uma fusão de história de espionagem e de crime organizado, o romance foi um best-seller nos Estados Unidos e no Reino Unido.

E a série de TV segue a passos largos tamanha qualidade, contando com um time de peso na execução da mesma, como grandes produtores na The Ink Factory, um roteirista fenomenal como David Farr e claro, dois talentosos atores nos papéis de personagens principais. No ano passado (2017), foi destaque na premiação do Globo de Ouro, levando três dos prêmios da noite, Hiddleston venceu como melhor ator, enquanto Laurie e Olivia Colman levaram melhor ator e atriz coadjuvante em TV, respectivamente.

Community

Após ter seu diploma considerado inválido pela Ordem dos Advogados do Colorado, Jeff Winger (Joel McHale) vai parar na Universidade Comunitária de Greendale a fim de tentar recuperar o diploma invalidado. Lá ele vai se tornar líder de um grupo de estudos - nada convencional - onde vão aprender mais uns com os outros do que com os próprios livros.

Além de Jeff, o grupo conta com Pierce - um homem experiente com grande sabedoria; Britta - aos seus 28, tem muito a provar para o mundo; Shirley - uma mulher um tanto quanto atrevida; Abed - um viciado em cultura pop; Annie - a perfeccionista; Troy - ex astro de futebol e o professor de espanhol, Senõr Chang.

Apesar de parecer uma premissa simples e sem grandes revelações, a série Community apresenta um roteiro muito bem construído, com personagens extremamente carismáticos que cativam àquele em frente a tela. Suas discussões de cultura, religião, relacionamentos, etc, são muito precisas e constroem novas visões para o telespectador, mostrando diferentes pontos de vistas, através de uma narrativa de humor muito bem desenvolvida, sem precisar sem apelativa.

Se você gosta de séries no estilo Big Bang Theory, por exemplo, Community é uma ótima pedida, trazendo metalinguagem e referências ao mundo pop/nerd/cult. Como centro destes elementos temos Abed, que tem o poder ser amado pela maioria esmagadora dos fãs e apreciadores da série.

The Office

A série que já nos proporcionou grandes memes protagonizados por Michael Scott (Steve Carell), traz o mesmo como  gerente regional da Dunder Mifflin, vale mencionar que ele é um líder super inconveniente e insensível, responsável por muitas tentativas pobres de gerenciamento. Em meio aos seus funcionários teremos um comédia que inclui comportamentos inapropriados, comentários bem intencionados, mas errados, conflitos de ego e muito mais.

Todas as nove temporadas de The Office estão disponível na Amazon Prime Video, você pode dar Play a qualquer momento e aproveitar para se divertir com os acontecimentos mais incomuns e peculiares - será mesmo? - em um escritório. Alguns dos funcionários que protagonizam ótimas cenas de humor temos Pam Beesly (Jenna Fischer) uma simpática recepcionista que tolera seu chefe; o representante de vendas Jim Halpert (John Krasinski); Dwight Schrute (Rainn Wilson), um arrogante assistente e  um grande puxa-saco de Michael e o auxiliar Ryan Howard, que passa a Michael a visão oficial dos fatos.

Uma série que envolve romance, tédio, emoção, nonsense, constrangimento, todos elementos repletos de humor e tiradas inteligentes. Com identidade própria e toques especiais dos criadores e elenco, com um estilo cativante e diferente de tudo que você já viu, onde um escritório é o cenário e palco para os acontecimentos mais improváveis e hilariantes.

McMafia

Uma série sobre o complexo mundo do crime organizado, onde  o centro da trama é uma família russa que fora exilada na Inglaterra. Mcmafia é inspirada no best-seller de Misha Glenny - McMafia: A Journey Through the Global Criminal Underworld (2008) - tratando temas como organizações criminosas na luta pelo poder e tendo como base e ponto de partida a explosão da globalização.

Alex Godman (James Norton) é um jovem banqueiro com trajetória exemplar no mercado financeiro de Londres, buscando realizar suas ações de modo correto e honesto, mesmo  que seus passos estejam sempre à mercê de suas comprometedoras raízes familiares - um clã de mafiosos russos. Ao desenrolar da narrativa Alex se vê e meio a um escândalo que ameaça sua reputação e seu tio lhe abre os olhos para uma saída inesperada e que não vai de acordo com seus princípios: buscar a ajuda de certo compatriota que deseja fazer lavagem de dinheiro.

A partir deste ponto temos um rico e bem trabalhado enredo que envolve lavadores de dinheiro em Dubai, cibercriminosos na Índia, negociantes do mercado negro em Zagreb, narcotraficantes na Colômbia, mafiosos russos em Londres, etc. Vale mencionar que o elenco da série McMafia conta com participação do ator brasileiro Caio Blat, e já foi renovada para a segunda temporada, então não perde tempo e corre conferir na íntegra a primeira temporada que está disponível no Prime Video.

Philip K. Dick's Electric Dreams

Uma série que vai te fazer duvidar da realidade, onde  cada um de seus episódios retrata uma versão adaptada e modernizada das histórias de Philip K. Dick. Uma antologia futurista, que baseando em elementos da  psicologia, filosofia e até mesmo a economia, vai mexer com a sua mente e forma de pensar.

A série, que por vezes é comparada com o sucesso Black Mirror pelo fato das temáticas futuristas, segue roteiros mais irregulares e imaginativos por parte de seus produtores, do que o da série da Netflix. Electric Dreams traz em seu elenco grandes nomes como  Bryan Cranston (Breaking Bad), Timothy Spall (Harry Potter), Greg Kinnear (Pequena Miss Sunshine), Liam Cunningham (Game of Thrones), Anna Paquin (X-Men).

Com riqueza de cenários, roupagem e fotografia impecável, Philip K. Dick's Electric Dreams vai muito além de uma história tecnológica fantasiosa, a história apresentada faz o telespectador refletir e avaliar ações reais da humanidade que podem comprometer o futuro da sociedade atual.

The Magicians

Em The Magicians, Jason Ralph dá vida ao personagem Quentin Coldwater, um jovem inteligente e pouco sociável que é aceito na  Academia Brakebills, uma instituição secreta especializada em mágica. Onde, acompanhado de seus amigos, vai descobrir que o fantástico mundo da magia dos livros que liam quando crianças, existe de verdade e mesmo que encantador, é perigoso e pode ser mortal.

A série é baseada no best-seller de Lev Grossman e vem conquistando o grande público, conta com três temporadas e recentemente foi renovada para sua quarta temporada, mantendo uma grande audiência estável desde a estreia em 2015. Grandes e renomados sites de críticas entram em consenso ao dizer que The Magicians possui impressionantes efeitos especiais e histórias criativas, que ajudam a compensar uma premissa derivada e ritmo ocasionalmente lento.

A série que ganha o nome de “Escola de Magia” no Brasil, recebe ainda mais pontos por contar com grandes nomes em sua produção, ao que foi desenvolvida por Sera Gamble (ex-produtora e roteirista de “Supernatural”) e John McNamara (criador da série “Fastlane”). Juntos conseguiram realizar uma ótima adaptação do livros de Lev Grossman, desenvolvendo uma trama encantadora e envolvente que acompanha Quentin Coldwater e seus amigos, empurrados para um mundo encantado e desconhecido, onde vão precisar usar suas habilidades - enquanto descobrem as mesmas - para salvar o mundo da magia.

Downton Abbey

Em Downton Abbey temos uma cativante trama que se passa na Inglaterra do início do século XX. A série acompanha a família Crawley em sua vasta propriedade rural no condado de Yorkshire - que leva o nome Downton Abbey. No drama, somos apresentados a forma de vida e cotidiano tanto dos donos, como também dos empregados da residência, mostrando os diferentes relacionamentos entre a nobreza e a classe operária.

A narrativa tem início no ano de 1912, se passando logo após a tragédia do Titanic, acontecimento este que teve grande impacto na família Crawley, deste ponto em diante, acompanhamos os dramas desta família aristocrática inglesa, conseguindo ser extremamente envolvente para àquele em frente a tela. Fotografias impecáveis, tal como figurinos e performances dos atores devem ser levadas em consideração ao tratar a qualidade da série.

O seriado foi muito bem aceito pelo grande público e elogiado pela crítica, tendo sua primeira exibição em 2011, conta com seis temporadas - todas disponíveis no catálogo da Amazon Prime Video - e possui várias premiações de prestígio, que incluem Globos de Ouro e Emmys. Downton Abbey se sai muito bem trabalhando em meio à ficção, onde fatos históricos reais vão se incorporando na vida dos personagens, alterando por vezes seus destinos.

Comentários