Como é o novo USB-C e porque você vai amar

Imagem do autor Jackson Bagatoli
Jackson Bagatoli
Especialista em tecnologia da Cissa Magazine
07/07/2015 2.111 visualizações comentarios

O mundo tecnológico evolui a velocidades sem precedentes. Novas formas de fazer as mesmas coisas surgem a cada instante.

Mas uma área da evolução tecnológica mexe mais ainda com a cabeça dos usuários: conectores.

Os tipos de conexão se tornaram tão diversos e específicos que eles têm grande peso na hora da escolha de um dispositivo, seja notebook, desktop, smartphone ou tablet.

Sempre queremos os que se adaptarão às nossas necessidades e utilizações diárias. Se algum dispositivo não for compatível com USB, por exemplo, não será uma boa escolha para a maioria dos usuários.

Como é o novo USB-C e porque você vai amá-lo

Com o grande sucesso da interface USB, há a necessidade de evolução da tecnologia para ser compatível com novas plataformas e dispositivos computacionais, os quais estão cada vez mais pequenos, finos e leves.

Os antigos padrões de USB não foram estruturados para os padrões atuais de transferência de dados, o que acaba inibindo a inovação e evolução. Ainda mais levando em consideração o tamanho do conector USB atual 2.0 e 3.0.

A nova especificação estabelece um novo ecossistema para conectores USB que engloba as necessidades atuais de evolução mas mantendo todos os benefícios e funcionalidades.

Conectores USB

Versões do USB

USB 1.1: Lançado em Agosto de 1998, foi a primeira versão a ser bem difundida e adotada, sendo que a versão original 1.0 nunca chegou às prateleiras. Tinha a velocidade máxima de 12Mbps mas geralmente trabalhava em torno de 1.2Mbps.

USB 2.0: Lançado em abril de 2000 com a velocidade em Hi-Speed de 480Mbps, ou 12Mbps em modo Full-Spped. Tem a corrente máxima de saída de 2.5v, 1.8A e ainda é compatível com sua versão anterior 1.1.

USB 3.0: Foi lançado em novembro de 2008 com a velocidade máxima de 5Gbps em modo SuperSpeed. Você já deve ter visto os conectores com a cor azul em computadores modernos, é a própria. É compatível com sua antecessora 2.0 mas consegue entregar energia de 5V, 1.8A. 

USB 3.1: Foi lançado em 26 de julho de 2013 e dobra a velocidade do 3.0, o que a deixa tão rápida quanto a Thunderbolt original (criada pela Intel). O USB 3.1 é compatível com USB 3.0 e USB 2.0. Possui ainda três perfis de entrega de energia e permite que dispositivos bem maiores utilizem a alimentação de um host: até 2A com 5 volts e também 5A com 12V (60W) ou 20V (100W). Os primeiros produtos com USB 3.1 já são um sucesso e agora adotam o tipo C de conector.

Tabela Conectores USB

Repare na tabela acima que temos dois pontos a diferencias: versão do USB e tipo do conector.

Há muita confusão nesta parte.

O que temos agora como grande inovação é a junção das velocidades astronômicas do USB 3.1 (10 Gbps) com o conector universal Tipo-C, que é pequeno e estará presente nas duas pontas.

Será o mesmíssimo conector tanto para laptops com telas grandes quanto para smartphones superfinos e compactos. Esta é realmente a grande sacada de tudo isso.

Vantagens do USB Type-C

  • Conector com tamanho reduzido que serve bem para smartphones e dispositivos móveis, mas robusto para dispositivos maiores;
  • Orientação do plug e direção do cabo reversíveis;
  • Suporta força e desempenho escaláveis para soluções que sobrevivem com o passar do tempo.

Espera-se que seja o sucesso de 2015 e dos anos por vir, o Tipo-C como já mencionado suporta USB 3.1 com velocidades gigantes de transferência e saída de alimentação de 20V (100W) e 5A.

O legal disso tudo é que, muito em breve, a maior parte dos dispositivos poderá ter suas baterias recarregadas por meio de um cabo só.

Em todos os dispositivos, sem importar o tamanho e as necessidades de transferência.

Já imaginou seu notebook sendo recarregado da mesma forma que seu smartphone é? Por meio de um cabinho USB minúsculo?

Uma das primeiras a vir com a novidade foi a Apple, com seu Macbook de 12 polegadas que vem com apenas um conector USB Type-C. Impressionando todo mundo mas já saindo na frente no que parece ser o momento mais importante em termos de transição de um conector.

Conector Tipo C USB

Alimentação Bidirecional

Um grande avanço na maneira como dispositivos interagem energeticamente. Agora o carregamento pode ser bidirecional, portanto, o mesmo cabo que traz alimentação pode levar alimentação a outro dispositivo.

O que isto basicamente significa é que não só um host pode carregar um periférico como também um periférico pode carregar um host, se for apropriado.

Muito menos fios e conectores para você se preocupar e se perder. Um só conector superpotente com capacidades incríveis, tamanho compacto e encaixa da maneira que você quiser.

Sim, é assim maravilhoso e logo logo você não comprará mais dispositivo nenhum caso ele não venha com USB Tipo-C.

Cabo Bi-direcional Tipo C USB

Mudança: a mais rápida

A mais rápida transição já vista com esta magnitude. O USB Type-C com especificação 3.1 representa um salto gigante rumo à compatibilidade universal.

“Assim como o USB em um dado momento exterminou portas paralelas, serial, PS/2, FireWire e outras, o USB-C pode também ser o sinal de morte para portas e cabos dedicados e proprietários de várias fabricantes, assim como Thunderbolt e HDMI” — The Verge

Transição obrigatória?

Não. A especificação USB Tipo-C é sim uma aposta promissora e deve sim ser a conexão para incontáveis dispositivos dentro de alguns anos. 

Mas devemos ainda considerar que o Tipo-C traz facilidades que talvez algumas fabricantes não queiram ou não precisem em seus produtos.

Em laptops maiores e com espaço suficiente para portas USB normais provavelmente não migrarão para o tipo-C tão cedo. Mas é esperado que também migrem em algum momento.

Devemos lembrar que o Tipo-A pode perfeitamente trabalhar com velocidades USB 3.1.

De novo, é nosso dever entender que o formato do conector é uma coisa e a especificação de transferência é outra.

Portas USB Computador Desktop

Resumindo

O que haverá de mais moderno em um futuro próximo é USB 3.1 com Tipo-C, pois assim trabalha a velocidades extremas, podendo energizar dispositivos maiores, passar dados de vídeo com clareza, ter ambas as pontas iguais, ser compatível com todos os dispositivos sem importar o tamanho e ser universal.

Por enquanto, adaptadores serão necessários para comunicar dispositivos que sejam apenas USB-C com outros dispositivos que utilizam USB Tipo-A.

É a primeira vez na história do USB, que ele precisa de adaptadores para se comunicar com versões anteriores, e provavelmente será o único momento na história da especificação.

Comentários