Smartphones foram descritos em 1926 por Nikola Tesla

Imagem do autor Jackson Bagatoli
Jackson Bagatoli
Especialista em tecnologia da Cissa Magazine
07/07/2015 1.762 visualizações comentarios

Nikola Tesla foi um cientista pioneiro em seu campo de atuação, conhecido por suas contribuições para o projeto da corrente alternada moderna. Tesla era engenheiro físico, mecânico e elétrico. Falava 8 línguas e tinha cerca de 300 patentes em seu nome ao fim de sua vida. A empresa Tesla muito tem se beneficiado de tudo isto sendo que muitas das invenções e patentes de Nikola estão vindo à tona.

Smartphones foram descritos em 1926 por Nikola Tesla

Tesla ainda fez quase uma profecia sobre como seriam os smartphones no futuro. Não utilizou o nome “smartphone” mas deu vários indícios de que se referia à mesma coisa. 

Nikola Tesla Previu Smartphones em 1926

Um belo insight sobre o que viria a ser a internet e comunicação global é descrito por Tesla, neste pequeno texto em tradução livre:

“Quando a tecnologia wireless estiver instalada com perfeição, o mundo inteiro se tornará um grande cérebro, o que ele verdadeiramente é; todas as coisas sendo partículas de um todo real e rítmico.”  

Ainda na continuação, algo como VoIP, Skype, WhatsApp, etc. é descrito, um meio de comunicação em tempo real:

“Poderemos nos comunicar uns com os outros de forma instantânea, independente da distância. Não somente isto, mas através de televisão e telefonia poderemos ver e ouvir uns aos outros tão perfeitamente quanto se estivéssemos conversando cara a cara, mesmo com distâncias de milhares de quilômetros”

E nesta última parte, Nikola ainda menciona como se pareceriam os dispositivos pelos quais nos comunicaríamos. E o quão móveis eles seriam: 

“... e os instrumentos pelos quais poderemos fazer tudo isso serão incrivelmente simples se comparados com nossos telefones atuais. O homem poderá carregar um no bolso de suas vestes.”

 O números de fãs das teorias de Tesla continua crescendo ao passo que suas contribuições são reveladas e trazidas à mídia. 

Comentários